Aborto e crianças deficientes

Crianças deficientes

Somos adeptos da perfeição…

Sonhamos com o dia em que seja possível escolher todas as características do filho que nos vai nascer: cor dos olhos e do cabelo, potência muscular, capacidade cerebral. E um carácter perfeito, todo de acordo com o nosso gosto. E sentimentos irrepreensíveis.
Inventámos um modelo de vida perfeita (ou inventaram-no para nós, e martelaram-no aos nossos ouvidos até nos convencermos de que é invenção nossa?). Fora desse modelo, consideramos que tudo é anomalia e erro.
Somos adeptos fervorosos da perfeição… E nem nos ralamos se, para chegarmos a ela, nos servimos de métodos… imperfeitos. Ou degradantes, ou vis, ou criminosos.

Aborto de crianças deficientes

Quando a evolução da ciência nos permitiu conhecer melhor e manipular os processos de transmissão da vida humana, aperfeiçoaram-se as técnicas de abortar, de forma a poderem ser eliminados aqueles bebés que muito possivelmente nasceriam com alguma imperfeição.
De entre os adeptos da perfeição, Hitler foi um dos mais famosos…
E temos também um grande apreço pela justiça… Não é justo que existam pobres e ricos. Nem pessoas perfeitas e pessoas imperfeitas. Eliminando as crianças imperfeitas, acabaremos com a injustiça da imperfeição…
Temos pena de tais crianças.

Há muitos caminhos

Mas não compreendemos que uma pessoa com deficiência possua a capacidade de ser feliz, porque não possuímos essa capacidade.
E por que razão havíamos de a ter, se não precisamos dela?
Há muitos caminhos. Todos eles são belos e podem terminar bem.

Paulo Jorge Geraldo